Pacelli - uma emissão cobiçada

Uma das emissões comemorativas mais cobiçadas pelos filatelistas brasileiros é a que comemora a visita do Cardeal Pacelli ao Brasil, em sua viagem de volta a Roma após participar do XXXII Congresso Eucarístico Internacional realizado em Buenos Aires. O motivo da escala no Rio de Janeiro do então Secretário de Estado do Vaticano e que logo seria eleito Papa, com o título de Papa Pio XII, foi conhecer o monumento do Cristo Redentor.

Devido ao pouco tempo entre o anúncio da visita e a data da chegada, a emissão comemorativa foi preparada a “toque de caixa”, pois o governo brasileiro queria presentear o Cardeal com um jogo dos selos. A Casa da Moeda do Brasil apresentou alguns modelos que não agradaram aos Correios, que acabaram por contratar a Tipografia Alexandre Ribeiro & Cia para realizar a impressão a tempo de presentear os selos ao Cardeal.

Os selos foram emitidos, com o valor facial de 300 e 700 reis, em folhas de papel “médio”, com a filigrana vertical “cruzeiro do sul” referenciada no catálogo RHM com a letra “k”, com o denteado 11, contendo a folha de cada um dos valores 32 exemplares.


Filigrana "Cruzeiro do Sul", vertical.
  
Selo de 300 reis e par de selos de 700 reis - primeira tiragem

Na impressão foram utilizadas duas chapas distintas. Uma com um bloco de 4 selos, a outra com um bloco de 8 selos. A impressão era feita em duas etapas. Após completar a impressão das primeiras duas linhas, a folha era virada para impressão das duas linhas faltantes. Assim, a folha ia 8 vezes à máquina quando usada a primeira chapa (bloco de 4), e 4 vezes quando usada a 2ª chapa (bloco de 8).

Infelizmente não tenho folha de cada um dos selos mas, utilizando uma quadra do selo de 700 reis de minha coleção - a mesma que fotografei contra a luz, pelo verso, para ilustrar a filigrana do papel, - tento demonstrar o processo, mostrando a primeira e a última etapa da impressão, com utilização do bloco de 4 selos.


1ª etapa da impressão, quatro passagens pela máquina

A folha é colocada na máquina em posição invertida e passa de novo por quatro processos de impressão, obtendo-se assim a folha inteira. Devido a ese processo, os selos das duas linhas centrais foram impressos em "tete-beche".


2ª etapa da impressão, final, com mais quatro passagens pela máquina sobre a folha invertida

Aconteceram três tiragens distintas da série, ocorrendo alguma dificuldade na identificação dos selos de cada tiragem, especialmente do selo de 700 reis.

Primeira tiragem

A primeira tiragem foi impressa, em 20 de outubro de 1934, com utilização da chapa composta do bloco de 4 selos.

O selo de 300 reis, com uma tiragem de 13.888 unidades, foi impresso na cor vinho.


Selo de 300 Reis, cor vinho

O selo de 700 reis, com uma tiragem total de 4.351 unidades, foi impresso na cor azul. O selo superior direito do bloco utilizado na impressão tem uma falha de impressão, o famoso "triângulo", e é o tamanho dessa falha, um triângulo inclinado de 1x2mm, que permite a classificação como sendo desta tiragem. Para visualizar em tamanho maior, cliquem na imagem.


Selo de 700 Reis, azul, com triângulo 1x2mm

Portanto, houve a impressão de 3.264 selos sem o triângulo e de 1.088 selos com o triângulo. Além disso, antes da palavra MARINI há um pequeno traço, diferentemente do que acontece nos selos sem triângulo, que não o possuem.

Assim, ao que me parece pelo que li em toda a literatura disponível que consultei, o selo de 700 reis, individual, não contém caracteristicas que permitam a diferenciação entre a 1ª e a 2ª tiragens.

Segunda tiragem

A segunda tiragem foi impressa em 25 de outubro de 1934, também com a utilização do bloco de 4 selos.

O selo de 300 Reis, impresso na cor cereja, contou com 9.024 exemplares. É o detalhe de cor que permite distinguir os selos das duas tiragens.


Selo de 300 Reis, cor cereja

Já o selo de 700 Reis, com uma tiragem de 20.890 exemplares, não possui caracteristicas que o permitem distinguir dos da primeira tiragem. Apenas aqueles que apresentam o triângulo retocado - com dimensões de 0,5x2 mm, ou menos, podem ser identificados como sendo da segunda tiragem. Neles, também consta o traço antes da palavra MARINI. Por este motivo, todos os selos de 700 reis que não apresentam o "triângulo", embora possam ter sido emitidos na primeira tiragem, são considerados como sendo da segunda.

A quadra a seguir contém um selo, o superior esquerdo, que apresenta o triângulo. A falha parece ser menor da encontrada na imagem do selo de 700 reis acima, da primeira tiragem. Mas, medida com paquímetro digital, parece ser maior do que 0,5. Na dúvida classifiquei-o como sendo da segunda tiragem, até surgir a oportunidade de solicitar perícia.


Quadra do selo de 700 Reis, cor azul. O primeiro selo permite a identificação da tiragem.

Terceira tiragem

A terceira tiragem foi impressa em 12 de novembro de 1934, com utilização da segunda chapa de 8 selos.

O que distingue esta tiragem das duas iniciais é, principalmente, a existência de dois riscos na nuvem acima do braço esquerdo, que só foram gravados na segunda chapa. O selo de 300 reis foi impresso em vermelho.


Selo de 300 Reis, vermelho.

Selo de 700 Reis,azul.

Clicando na imagem acima, acesse a imagem do selo em tamanho maior, marcada com destaque.

Comparando os selos das três emissões:


Selo de 300 Reis

Selo de 700 Reis

Devido à técnica utilizada na impressão das folhas, existem diversas peças filatélicas, todas muito cobiçadas pelos colecionadores - quadras, pares e quadras tete-beche, quadra com um selo de 700 reis com triângulo e, a mais desejada, uma quadra tete-beche do selo de 700 reis e um selo com triângulo, da 1ª tiragem . Assim está descrita esta última peça no Catálogo RHM - 57ª Edição (2010). Não a possuo mas peça o bloco de 8 selos, a seguir, exemplifica perfeitamente aquela peça.



Bloco de 8 selos de 700 Reis, primeira tiragem, composto de um par da tira superior (um selo com triângulo, outro sem) uma quadra tete-beche, (da segunda e terceira tiras da folha e um par da tira inferior (um selo com triângulo, outro sem)

Caso queira apreciar a peça apresentada em tamanho maior, clique na imagem acima

Outras peças:


Par "tete-beche" do selo de 300 Reis, vinho, primeira tiragem

Par "tete-beche" do selo de 300 Reis, cereja, segunda tiragem

Par "tete-beche" do selo de 700 Reis, azul, segunda tiragem

Quadra do selo de 300 Reis, vermelho, terceira tiragem

Par "tete-beche" do selo de 300 Reis, vermelho, terceira tiragem

Quadra "tete-beche" do selo de 300 Reis, vermelho, terceira tiragem

Quadra do selo de 700 Reis, azul, terceira tiragem

Par "tete-beche" do selo de 700 Reis, azul, terceira tiragem

Quadra "tete-beche" do selo de 700 Reis, azul, terceira tiragem
A peça apresenta pequeno deslocamento da picotagem

Envelope circulado, com os dois selos da terceira tiragem
A peça apresenta pontos de ferrugem e a data do carimbo é anterior à da emissão(?)

Este trabalho, que não pretende ser definitivo, foi preparado com apoio das informações constantes do Catálogo de Selos do Brasil - 1995, Volume II, da RHM, páginas 146 a 149, do artigo do filatelista Reinaldo Jacob "O Monumento do Cristo Redentor" publicado na FILACAP Especial 02, de junho de 2011, páginas 7 a 9, e de um trabalho não publicado do Dr. Ademar de Almeida Santos Filho. Eventuais erros ou omissões são de inteira responsabilidade do autor, que agradece o envio de eventuais correções ou comentários.

Logo após a divulgação deste trabalho, recebi e-mail do colega Enrico, do grupo "Amigos dos Selos", que transcrevo:

"Prezado João Alberto, boa tarde.

Sou grande fã dos selos Pacelli's e tenho um documento de família guardado a tempos sobre estes selos. Trata-se de um bom estudo elaborado pelo meu familiar e antigo filatelista Nicolau Ancona Lopez, que foi o 6º presidente da, SPP Sociedade Philatélica Paulista, no período de 1933/34.

O documento original é datilografado e transcrevi no word. Lhe caminho uma cópia para sua pesquisa e satisfação. Caso queira divulgar ao grupo, fique a vontade.

Também sou colecionador e já tive duas folhas dos dois valores dos Pacelli's e pude comprovar e fazer as comparações de que esta pesquisa e estudo são perfeitamente válidos.

Espero que lhe seja de grande valia.

Abraços

Enrico"

O trabalho enviado, que agradeço, é extenso e muito detalhado. Para absorver esses detalhes, vou precisar de algum tempo, mas tenho a certeza de que no futuro terei condições de inserir no meu texto algumas das informações nele contidas, para facilitar a correta classificação.

Contudo, desde já publico o texto enviado, convertido para um arquivo .pdf. Para acessá-lo, clique no ícone a seguir:


Pesquisa do filatelista Nicolau Ancona Lopez

Mais recentemente, recebi de presente trabalho publicado pela ArGe Brasilien e.V. im BDPh, uma sociedade filatélica alemã dedicada a estudos sobre emissões brasileiras, de autoria do filatelista Dieter Kerkhoff, que em sua riqueza de detalhes, imagens de peças espetaculares e pesquisa profunda da emissão comemorativa da visita do Cardeal Pacelli, me deixou quase que envergonhado da minha pretensão com relação ao estudo que desenvolvi, não fora ter-me ele trazido a oportunidade de conhecer na integra a publicação "Die Gedenkamarken aus Anlass des Besuchs von Kardinal Pacelli in Brasilien - 1934", ou seja, em português "Os selos da emissão comemorativa para celebrar a Visita do Cardeal Pacelli - 1934".

O trabalho está escrito em alemão e inglês e deveria fazer parte de todas as bibliotecas das sociedades filatélicas brasileiras e constar da estante do filatelista interessado na pesquisa e conhecimento da filatelia brasileira.

Clicando na imagem da capa do trabalho, reproduzida a seguir, é possivel acessar a página da sociedade filatelica editora e encontrar detalhes quanto à possibilidade de aquisição:

O link leva para a pagina que lista as publicações da sociedade e respectivos preços, em euros. Contudo, para fazer um contato, usar o link que consta na parte superior da pagina acessada "Kontakt" ou então "Startseite" para ir ao inicio da homepage daquela sociedade

23 de agosto de 2012
Revisado em 17 de fevereiro de 2013

João Alberto Correia da Silva

************************************************

-Voltar-

Desenvolvimento: João Alberto Correia da Silva